Robô ROPE ganha reconhecimento da Sociedade Brasileira de Computação

Um dos projetos mais motivadores e que mais me orgulham”. É assim que André Raab, coordenador e um dos desenvolvedores do robô, descreve o projeto. O ROPE (Robô Programável Educacional) é um brinquedo de programar que vem sendo utilizado em cinco Núcleos de Educação Infantil de Balneário Camboriú e recebeu recentemente um reconhecimento da Sociedade Brasileira de Computação (SBC) por impacto positivo na sociedade e relevância para o desenvolvimento da computação no país.

O Ministério Público de Balneário Camboriú apoiou a iniciativa desenvolvida por alunos e pesquisadores do Laboratório de Inovação Tecnológica na Educação (Lite) da Univali e a Secretaria de Educação do município mobilizou sua equipe para que os Núcleos de Educação Infantil (NEIs) recebessem o robô. Com isso, a cidade é a primeira do país a adotar o uso de brinquedos de programar de forma sistemática na Educação Infantil.

A ideia surgiu através de um brinquedo semelhante que André comprou para seu filho no exterior. Após estudar sua estrutura decidiu reunir recursos para produzi-lo no Brasil e assim iniciou o desenvolvimento. Ao todo, foram mais de três anos de pesquisa, não só na parte elétrica e mecânica, mas também na educacional e cerca de 20 pessoas envolvidas no processo, que é inteiramente realizado na Univali.

“Esse projeto representa uma mudança radical na tendência de produzir pesquisar mais voltadas à graduação, para uma atuação mais ligada à extensão, educação básica, e agora principalmente, educação infantil” conta André, que por muitos anos dedicou-se a pesquisas de graduação e hoje orgulha-se do retorno que o ROPE está proporcionando.

O brinquedo possibilita que as crianças realizem atividades lúdicas que trabalham a resolução de problemas, o conceito de número, as estimativas, a lateralidade e outros conceitos fundamentais nesta fase do desenvolvimento infantil. A aparência do brinquedo também é construída para despertar o interesse das crianças: feito de madeira, com botões coloridos e um rosto simpático desenhado nas laterais.

Ao todo, já foram entregues 15 robozinhos nos NEI´s Taquaras, Santa Clara, Carrossel, Pão e Mel e Nova Esperança. A intenção é chegar a 30 ROPES até o final do ano. A secretária de Educação, Rosangela Percegona Borba, ressalta a importância dessa tecnologia para o ensino infantil. “Na Educação Infantil o brincar é a principal ferramenta utilizada no desenvolvimento das crianças. Com o ROPE as crianças aprendem noções de matemática, raciocínio lógico, cooperação, desenvolvem habilidades cognitivas, é uma ferramente muito importante para o aprendizado”, fala.

A intenção dos desenvolvedores é ampliar ainda mais o projeto. A ideia é promover seminários de troca de experiências entre os professores, aumentar o número de turmas que recebem os robôs, incluindo também o 1º e 2º ano do Ensino Fundamental e desenvolver brinquedos com mais recursos para atingir diversas faixas etárias.